Compreende e ajuda sempre


Compreende o erro do teu irmão, entenda que poderia ser você na condição dele. Auxilia sempre a retomarem a trilha do amor, ao menor sinal de desvio em meio à cegueira da raiva. Apoia o corpo cansado e evita que ele deserte da luta. Oferece da tua água se a sede tentar frear o desempenho do seu irmão. Se não sabe como ajudar ofereça ao menos um abraço. Se alguém cruzar o seu caminho, não deixe que retorne da mesma maneira. Ensina sem humilhar, e aprende se a humilhação for a sua lição. Esquece um pouco de você e lembre-se dos que se sentem invisíveis. O que te diferencia deles são apenas as roupas, por vezes aprenderá mais com ouvindo a história de vida deles do que com a teoria escrita em versos. Toda hora é momento de ajudar, mesmo em silêncio envia paz ao ambiente.

Vida passada de Yvonne A. Pereira é revelada em novo livro

A médium e incansável trabalhadora do espiritismo Yvonne do Amaral Pereira já teve algumas de suas experiências reencarnatórias relatadas pela literatura espírita.


Agora nos chega, através da narração de Arnold de Numiers, mais uma experiência de Yvonne até então proibida de nos ser revelada.

A história de Leila, arrebatadora e emocionante, revela todo o drama vivenciado por aqueles que se entregam ao suicídio, seja de forma consciente ou inconsciente, fugindo da vida e das responsabilidades assumidas, julgando assim se livrar de suas dores e sofrimentos.

A trama do romance reúne os espíritos comprometidos entre si em nova oportunidade e nos sensibiliza quando constata-mos o imenso auxílio recebido do Alto por meio dos espíritos benfeitores que não se cansam de apoiar, confortar e orientar aqueles que atravessam dificuldades e provações.


O novo livro, “Leila – A Filha de Charles” será distribuído em Setembro/16 aos sócios do Clube do Livro Letra Espírita. Saiba mais e associe-se em www.letraespirita.com.br

Chico Xavier - Um Mandato Mediúnico de Amor

Na palestra “Chico Xavier – Um Mandato de Amor”, que enviaremos em Agosto/16 para os sócios da Mídia Espírita, o expositor Sérgio Villar faz um brilhante retrospecto da vida do magnífico Francisco Cândido Xavier.

Sinopse: Chico Xavier sem sombra de dúvida foi um dos maiores médiuns que a Terra recebeu, exercendo um dos maiores mandatos mediúnicos. Somado a isso veio também seu intenso amor colocado em tudo que fazia. É sobre essa temática que o orador Sérgio Villar baseia seus estudos.


Esse extraordinário médium deixou muitos ensinamentos, certa feita deixou uma frase que resume bem seu trabalho "Quem sabe pode muito, quem AMA pode mais".

Adquira agora mesmo o seu exemplar em homenagem ao médium mineiro associando-se em www.letraespirita.com.br 

Masturbação á luz do Espiritismo

Por Espírito Eugênia por meio da mediunidade de Benjamim Teixeira 

Pergunta – Eugênia, seria abusivo perguntar sobre masturbação?

Resposta – Claro que não. A forma de me perguntar já revela a necessidade de se ventilar a temática. Tudo deve ser falado, sob a perspectiva da Espiritualidade, principalmente o que é foco de tabu, porque, então, os automatismos neuróticos e destrutivos, bem como as fixações culturais e sociais, agem mais livremente a prejuízo de comunidades e indivíduos.

Pergunta – No passado, Eugênia, tratava-se a masturbação como pecado ou como desequilíbrio que até poderia causar distúrbios mentais e físicos. A medicina (auxiliada pela psicologia e pela sexologia) eliminou os fundamentos de tais crendices populares (que tiveram muito apoio de gente instruída, em tempos idos), mas, no meio espírita, ainda se considera a masturbação como vampirismo ou desvio de função das energias sexuais, um desperdício, qual se todo ato masturbatório indicasse uma queda em tentação. Poderia nos falar algo sobre estas considerações?

Resposta – Sim. É gritantemente necessário que o postulado básico de acompanhar a ciência seja lembrado entre aqueles que desejam, sinceramente, desposar o Espiritismo como filosofia de vida. Apegar-se a velhos conceitos, por tradição, por medo de enfrentar o novo ou por receio de ser plenamente responsável pelos próprios atos, é de tal modo descompassado com a modernidade, que nos eximimos de expender mais comentários a respeito. Importante lembrar que médiuns acabam filtrando, inconscientemente, o pensamento das entidades que se manifestam por seu corpo mental, de modo que refrações sutis e graves podem se dar (e se dão sempre, em algum nível). Eis por que a vigilância deve ser acentuada, sobremaneira quando condicionamentos culturais e convenções muito cristalizadas estão envolvidos.

O que tem dito a ciência sobre o assunto? Que a masturbação é algo natural e até desejável para o indivíduo adulto; e que, mesmo entre aqueles que já têm a vida afetiva disciplinada nos corredores da educação conjugal, é compreensível aconteça o fenômeno do onanismo (para os dois gêneros), que se revela mesmo imperioso, amiúde, quando os ritmos sexuais dos parceiros não se alinham, a fim de que um não incomode o outro na satisfação de suas necessidades de fundo psicofisiológico, nem alguém se frustre na quota de libido que lhe não seja possível imediatamente canalizar para atividades não-sexuais, sem gerar recalques indesejáveis.

Seja na tenra idade, seja em idade avançada, para solteiros ou casados, hétero ou homossexuais, o fenômeno masturbatório pode ser comparado à ida ao banheiro para a excreção dos detritos alimentares. Há abusos, sem dúvida, como os há em tudo na existência humana. Os ritmos sexuais podem ser exacerbados, na compulsão, ainda que se não tenha parceiro para a prática. Cada caso é um caso, e, somente com profundo autoconhecimento, a criatura descobre o sistema apropriado ao seu modo de ser, em função do bem-estar geral, da produtividade, da criatividade e do sentimento de equilíbrio íntimo, que constituem alguns dos resultados da vida sexual resolvida.

Quanto ao vampirismo, pode acontecer também na vida afetiva a dois, sempre que os desajustes da perversão e da promiscuidade invoquem, para a alcova do casal, presenças extrafísicas de baixo calão vibratório, pelo próprio diapasão de desequilíbrio em que se expressam em seu momento de intimidade.

Pergunta – Que bom, Eugênia! Creio que estas suas colocações esclarecedoras vão ajudar muitas pessoas. Entretanto, você aludiu a “perversão”, e este conceito me parece muito amplo e difuso, pelo mesmo motivo de os preconceitos adentrarem este departamento valorativo. Temos muita dificuldade em aceitar e conviver com nosso lado animal, e muitos são os que têm vergonha e não se soltam em funções elementares de sua própria fisiologia, tudo tendo como sinal de depravação, primitivismo e imoralidade. O que você quis dizer por “perversão”? Digo, porque, inclusive, na temática “masturbação”, está em jogo, normalmente, o fator “fantasia”, que pode incluir itens que não sejam desejados também na relação concretizada a dois – estou certo?

Resposta – O tema é muito complexo, e, sem dúvida, não o esgotaremos nesta nossa primeira fala a respeito. Por outro lado, não somos autorizados por Nossos Maiores, ainda, a discorrer abertamente sobre o assunto, porque mentes menos amadurecidas, levianas, despreparadas para nos ouvir, poderiam fazer mau uso de nossas afirmações. O que podemos dizer é que tudo que lese física, emocional ou moralmente alguém pode ser enquadrado no capítulo “perversão”, ao passo que tudo quanto promova o bem-estar biopsíquico, o crescimento psicológico e a boa relação entre as criaturas não pode ser considerado como distúrbio moral ou patologia psíquica.

O quesito “fantasia” é ainda mais intrincado, porque, freqüentemente, melhor que se liberem certos conteúdos indesejados (e ainda não de todo domesticáveis) da psique, por meio das ferramentas imagéticas, do que fazê-los colapsarem no próprio comportamento, em surtos que se chamam, em psicologia junguiana, de “possessão pela sombra” (*). Os princípios de civilização, entretanto, devem sempre reger tais processos mentais, na promoção da educação e da melhoria progressiva dos indivíduos, dos mais ínfimos aos maiores gestos, dos mais secretos aos públicos. A gerência de tais impulsos – que, como disse, não podem, em sua totalidade, ser de pronto sublimados – corre por conta da responsabilidade de cada um, em função do próprio e do bem comum.

Pergunta – Algo mais desejaria dizer, por ora?

Resposta – Que se procure, em tudo, o ponto de vista do bom senso, do equilíbrio, da visão de conjunto, e dificilmente se incorrerá em erros graves de conduta, seja consigo mesmo, seja nas relações interpessoais.

==================


Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar maravilhosos livros que iluminam: www.letraespirita.com.br

Filme espírita abordará doação de órgãos e combate à homofobia


O roteiro de "Bate Coração" é baseado em duas peças de teatro, "Acredite, um espírito baixou em mim" e "Coração Safado", ambas de Ronaldo Ciambroni. O dramaturgo assina o texto final, em parceria com Glauber Filho e Daniel Dias.

O filme está estimado em R$ 3 milhões. Há meses os diretores trabalham na elaboração do roteiro do filme, que terá por temas sobre doação de órgãos, homossexualidade, transexualidade e homofobia, tudo à luz do Espiritismo.

O filme, que ainda não tem data de estreia prevista, conta a história de um empresário homofóbico que tem problemas cardíacos e ganha o coração transplantado de uma travesti que desencarna. Mesclando cenas de humor e, outras, que levam à reflexão sobre o processo de aceitação dos dois personagens, a obra pretende discutir algumas temáticas que envolvem a doação. "Eles irão aprender a lidar com as novas situações", observa Glauber.

O que é água fluidificada?


Por: Edvaldo Kulcheski

A água fluidificada é a água normal, acrescida de fluidos curadores. Em termos de Espiritismo, entende-se por água fluidificada aquela em que fluidos medicamentosos são adicionados à água. É a água magnetizada por fluidos.

Quem faz a fluidificação da água?

Em geral, são os Espíritos desencarnados que, durante as sessões de fluidoterapia, fluidificam a água, mas a água pode ser magnetizada tanto pelos fluidos espirituais quanto pelos fluidos dos homens encarnados, assim como ocorre com os passes, sendo necessário, para isso, da parte do indivíduo que irá realizar a fluidificação, a realização de preces e a imposição das mãos, a fim de direcionar os fluidos para o recipiente em que se encontrar a água.

Como é feita a fluidificação da água? 

A água é um dos corpos mais simples e receptivos da Terra. É como que a base pura, em que a medicação Espiritual pode ser impressa. O processo é invisível aos olhos mortais, por isso, a confiança e a fé do paciente são partes essenciais para que tratamento alcance o efeito desejado. A água é um ótimo condutor de força eletro-magnética e absorverá os fluidos sobre ela projetados, conserva-los-á e os transmitirá ao organismo doente, quando ingerida. A água fluidificada expande os átomos físicos, ocasionando a entrada de átomos espirituais, ainda desconhecidos, e que servem para ajudar na cura.

Tipos de fluidificação da água 

Fluidificação Magnética: É aquela em que fluidos medicamentosos são adicionados na água por ação magnética da pessoa (encarnada) que coloca suas mãos sobre o recipiente com água e projeta seus próprios fluidos.

Fluidicação Espiritual: É aquela em que os Espíritos aplicam fluidos (sem intermediários) diretamente sobre os frascos com água. Na Fluidificação Espiritual a água não recebe fluidos magnéticos do indivíduo encarnado, mas somente os trazidos pelos Espíritos. A Fluidificação Espiritual é a mais comumente utilizada nos Centros Espíritas. 

Fluidificação Mista: É uma modalidade de fluidificação onde se misturam os fluidos do indivíduo encarnado com os fluidos trazidos pelos Espíritos.

Como vimos, o processo de fluidificação da água independe da presença de médiuns curadores, pois os Espíritos podem aplicar os fluidos sem intermediários, diretamente sobre os frascos com água, além disso, qualquer pessoa pode fluidificar a água, basta ter fé e concentrar-se naquilo que estiver fazendo, projetando assim os seus próprios fluidos e recebendo o auxílio da Espiritualidade amiga, sempre presente.

Ação da água fluidificada no organismo 

A água é uma molécula polar composta e é facilmente absorvida no nosso organismo. Por isso e aproveitando-se de algumas de suas propriedades (tensão superficial, condutividade elétrica e susceptibilidade magnética), é usada como agente do tratamento de fluidoterapia.

Todas as reações que acontecem no nosso organismo são em soluções aquosas, e as proteínas, membranas, enzimas, mitocôndrias e hormônios somente são funcionais na presença desta substância (água).

A ciência denomina a água de “Líquido Vital”. Uma vez fluidificada e ingerida, a água pode provocar os seguintes efeitos:

Inibição da formação de radicais livres, ou seja, diminuição dos processos oxidativos celulares, diminuição da taxa de produção de gás carbônico, aceleração dos processos de fagocitose, incremento na produção de linfócitos (células de defesa);

Observa-se na membrana celular uma maior mobilidades de íons Sódio e Potássio, melhorando o processo de osmose celular, tendo um efeito rejuvenescedor no organismo. Há uma distribuição no mecanismo de transporte de vários tipos de cátions, como é o caso do cálcio;

Efeitos sobre os hormônios receptores, ativação dos linfócitos por antígenos e várias lecitinas. O processo de polarização magnética induzida (imantação) da água no organismo produz a captura e precipitação do cálcio em excesso no meio celular;

Reposição da energia espiritual, renovando a estrutura perispiritual.

A terapêutica com a água fluidificada traz muitos benefícios ao organismo, apesar de não poder parar ou regredir as doenças geradas por resgates, doenças crônicas e degenerativas, porém facilita a ação medicamentosa e tem se mostrado eficiente na cura das doenças psicossomáticas. 

Conclusão 

A água fluidificada, portanto, é uma água magnetizada, principalmente, pelos Espíritos, contendo, assim, alterações ocasionadas pelos fluidos salutares ali colocados e direcionados para o equilíbrio de alguma enfermidade física ou espiritual.

Para cada paciente o fluido medicamentoso será específico não só para a sua enfermidade física, mas também para as necessidades espirituais de cada um. Deve ser usada como um medicamento. Manda o bom senso que não se utilize remédios sem necessidade, portanto, da mesma maneira, só deve usar a água fluidificada quem de fato estiver necessitando dela. Tudo em excesso faz mal, não é mesmo.

==================

Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar maravilhosos livros que iluminam: www.letraespirita.com.br

Tribulações


Por: Felipe Guerra 

Em meio às tribulações que enfrentar, não dispense palavras de sofrimento ou raiva. Busque entender que essas situações são fundamentais para que alcance a grande sabedoria. O aluno que sofre hoje será o professor experiente amanhã.

Não se forja o aço em temperaturas baixas, e o diamante toma sua forma mais valiosa depois de ser lapidado. O sofrimento cotidiano é a nossa lapidação. Se entregue ao lapidário celeste. Nada o deterá de brilhar imensamente, mas lembre-se que para reluzir é necessário que a luz se faça encobrir sua estrutura.

Esconder-se das provas é privar sua alma da lapidação. Na escuridão que se encontra, nada poderá brilhar. Procura incessantemente e faz-se presente a ser escolhido. O garimpeiro do amor busca em meio a lama, os seus diamantes, pois o seu valor pode estar encoberto temporariamente.

A situação de Hitler no Plano Espiritual

O texto abaixo é da autoria de Geraldo Lemos Neto baseado em suas conversas com Chico Xavier.


(…) Perguntei ao Chico sobre Hitler. Onde estaria o espírito de Hitler?
Chico então me contou uma história muito interessante. Segundo ele, imediatamente após a sua desencarnação, o espírito de Hitler recebeu das Altas Esferas uma sentença de ficar 1.000 anos terrestres em regime de solitária numa prisão espiritual situada no planeta Plutão.

Chico explicou-me que esta providência foi necessária não somente pelo aspecto da pena que se lhe imputara aos erros clamorosos, mas também em função da Misericórdia Celeste em protegê-los da horda de milhões de almas vingativas que não o haviam perdoado os deslizes lamentáveis.

Durante este período de 10 séculos em absoluta solidão ele seria chamado a meditar mais profundamente sobre os enganos cometidos e então teria nova chance de recomeçar na estrada evolutiva.

Quando o espírito de Gandhi desencarnou, e ascendeu aos Planos Mais Altos da Terra pela iluminação natural de sua bondade característica, ao saber do triste destino do algoz da humanidade na II Grande Guerra Mundial, solicitou uma audiência com Jesus Cristo, o Governador Espiritual da Terra, e pediu ao Cristo a possibilidade de guiar o espírito de Hitler para o Bem, o Amor e a Verdade.

Sensibilizado pelo sacrifício de Gandhi, Nosso Senhor autorizou-o na difícil tarefa e desde então temos Gandhi como dos poucos que se aproximam do espírito de Hitler com compaixão e amor…

Impressionado perguntei ao Chico:

Então Chico, o Planeta Plutão é um planeta penitenciária?

E ele me respondeu:

É sim, Geraldinho.

Em nosso Sistema Solar, temos penitenciárias espirituais em Plutão, em Mercúrio e na nossa Lua terrena. Eu soube, por exemplo, que o espírito de Lampião está preso na Lua.

É por isso que alguns astronautas que lá pisaram, sentindo talvez um frio na alma, voltaram à Terra meio desorientados e tristes. Soube de um até que se tornou religioso depois de estar por lá! 

Como vemos o nosso Chico era capaz de desvendar muitos mistérios em torno da organização da vida mais além! E com que simplicidade e naturalidade ele nos falava dessas coisas.”. 


==================

Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar maravilhosos livros que iluminam: www.letraespirita.com.br

Poliamor, o que diz o Espiritismo


Por: Welligton Balbo

Conversava com um amigo ainda pouco e falávamos sobre a questão do poliamor que anda em voga. O poliamor é quando você mantém relacionamento íntimo com duas ou mais pessoas de modo consensual, transparente, ético e não monogâmico.

Os defensores da ideia dizem que o poliamor não é apenas um relacionamento aberto, que permite a um parceiro envolver-se sexualmente com outra pessoa fora do quadrado da relação, mas, sim, algo mais amplo e que abrange ligações emocionais mais fortes e duradouras com duas ou mais pessoas.

Há muitos países em que os indivíduos já adotam o poliamor, tais como: Estados Unidos, Reino Unido e, também, o Brasil. Aliás, em nossas terras já há até jurisprudência que reconhece o poliamor como relação amorosa. Diante de tanta diversidade de costumes que são estabelecidos pelas pessoas cabe a todos exercitarem a reflexão.

Seria o poliamor um avanço na marcha da humanidade? Vejamos: Suponha-se que estabelecer relações duradouras e emocionais mais fortes faça o indivíduo desenvolver pelas pessoas que estão naquela relação poliamorosa, que pode ser composta por duas ou três pessoas, uma cidade, um estado ou um país inteiro, o amor denominado pelos gregos de Ágape. Ou seja, o amor incondicional, que se entrega, que tudo faz, tudo suporta e trabalha incessantemente pela felicidade de todos os membros.

Caso desenvolver o amor Ágape por essas pessoas, e tão somente ele seja designado como o poliamor há de entender que, quanto mais gente houver nas minhas relações, melhor. Significa que minha capacidade de amar, doar-se, servir é estupenda e engloba uma infinidade de pessoas.

Suponha-se, todavia, que estabelecer relações duradouras e emocionais mais fortes faça o indivíduo exercitar o seu amor mais erótico, sensual, o amor que os gregos denominam de Eros. Soa poético. Todos se amam e relacionam-se na mais absoluta paz e harmonia.

Cabeças boas, nada de cíume, cobranças ou coisas do gênero. Se a Patrícia estiver de mal humor hoje, ou de TPM, eu busco a Clara. Mas caso a Clara esteja com o Maurício, ai não tem jeito, terei que ficar sozinho mesmo ou, então, buscar outro alguém para colocar nessas relações poliamorosas.

E o Espiritismo, tratou do poliamor? Não com esse nome, mas tratou do tema poligamia e monogamia.

Então, o que dizem os Espíritos acerca deste tema? Eles conversam com Kardec sobre isso nas questões 700 e 701 de O livro dos Espíritos. Informam que a monogamia marca um progresso na marcha da humanidade.

Na poligamia há apenas sensualidade, ou como dizem os gregos, o amor Eros. O que não é um mal. O amor Eros, ou seja, o desejo é natural existir em nós. Todavia, dizem os Espíritos que aquele que sabe limitar seus desejos poupa-se de muitas decepções desta vida. Logo, lícito desejar, mas importante, para meu próprio equilíbrio limitar os meus desejos, inclusive no campo sexual e de quantidade de parceiros.

Mas na monogamia, na construção de uma família e no cumprimento do dever de respeitar, inclusive o corpo do cônjuge, pois pode-se, a partir de relações sexuais contrair e espalhar doenças, está o grande sabor de amar alguém, amor aqui no sentido Eros, no sentido de erótico. É na monogamia que se encontra a possibilidade de refrear os institntos primitivos que propunham ao homem a cópula indiscriminada e realizada com todos, sem distinção.

Mas, então, e o poliamor? Pois sim, o poliamor se exercitado no sentido de amor Ágape e monogâmico, que serve, colabora e tudo faz pela felicidade de todos vale para o ditado: quanto mais, melhor. Enfim, quanto mais gente, melhor.

Mas o amor Eros, o amor desejo, este é recomendável guardar apenas para uma pessoa, ou seja, um amor monogâmico, como ensinam os Espíritos.

==================
Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar maravilhosos livros que iluminam: www.letraespirita.com.br

O reencontro de almas afins é tema do livro "Diferentes Caminhos"


O livro “Diferentes Caminhos” será enviado em Agosto/16 para os sócios do Clube do Livro Letra Espírita que assinam 02 Romances/mês (junto receberão o livro "Supremo Resgate"). 

O envolvente romance aborda os encontros e desencontros de dois espíritos afins, onde ambos buscam a felicidade, que nascem no mesmo dia e hora. Um menino, filho do feitor da fazenda, em lar pobre. A menina, filha do patrão, com alto poder monetário. A diferença faz com que a separação seja inevitável aos quinze anos. Ela vai para a cidade grande estudar balé, teatro... Ele, incomodado, deixa a fazenda em companhia de um parque de diversões.

Nessa trama material, ambos estão tentando "Diferentes Caminhos". Qual será o resultado dessa busca?

Conheça o Clube do Livro Letra Espírita e veja a seleção completa do mês acessando www.letraespirita.com.br

X-men e os tipos de mediunidade


Fonte: Geraê 

Pense rápido: qual X-Men você gostaria de ser? Por que? Será que é porque seus “poderes” são incríveis e eles só existem na ficção? Vamos falar neste post sobre os seus “poderes mutantes” que são – “coincidentemente” – exatamente como alguns fenômenos medianímicos ou anímicos que você já conhece, ou que, deveria conhecer… (Rs) 

Pessoal, imaginem a bela Jean Grey com seu poder de ler mentes e projetar seus próprios pensamentos nessas mentes, e ainda levitar, quebrar e mover objetos e pessoas somente com a força mental… Bacana não é?! Perceba que esse “poder” se encaixa perfeitamente com descrição geral dos fenômenos de efeitos físicos motores, chamados de Telecinésia que também incluem: levitação, translação, ou movimento de objetos ou corpos sem contato físico com o médium. Parece um bom exemplo de fenômenos psíquicos (inconscientes ou conscientes) que são produzidos fora dos limites da esfera corpórea do médium, ou extramediúnicos, que chamamos de animismo por ser um produto da alma emancipada.

Depois dessa “coincidência” resolvemos investigar outros “poderes” que adoramos nos X-Men, como os do Noturno. Vamos lá?

Veja bem galera, o Noturno tem um poder muito interessante, ele aparece e desaparece dos lugares num piscar de olhos. Show, né? Será que isso também pode ser um fenômeno medianímico ou anímico? Lendo mais sobre os Efeitos Físicos, descobrimos que esses se assemelham aos que são classificados como efeitos de Transportes. Ou seja, a desmaterialização, translação e rematerialização de objetos e corpos se encaixam nessa categoria de mediunidade. Quando há trazimentos de corpos para dentro do ambiente o fenômeno é chamado de aporte (do francês apporter); quando é levado do ambiente para o exterior, deporte (do francês déporter). Exatamente o que o Noturno consegue fazer! Incrível isso! Você já tinha ouvido falar?

Então, nós sabemos que, em se tratando de Efeitos Físicos, os espíritos podem atuar de duas maneiras: ação direta dos espíritos sobre a matéria – atuando sobre a matéria cósmica universal ou utilizando combinações fluídicas que lhes são próprias com os fluidos da natureza. Na segunda alternativa há necessidade de médiuns, cuja natureza apresenta além da dissociação psíquica – a dissociação biológica.

Pesquisando os Efeitos Físicos de Telergia (nome difícil, né? Rs), que são trabalhos realizados à distância do médium, descobrimos a mediunidade do Magneto. Fenômenos classificados como Magnéticos: efeitos de radiestesia – faculdade de perceber ou de ser sensível a radiações emitidas por diferentes corpos, como sobre uma agulha da bússola ou outros metais, incluindo mediunidade de cura e magnetização da água. Um bom exemplo de magnetizadores são os médiuns passistas. Prosseguindo com nossos X-Men favoritos…

Vamos ao bonitão Wolverine. Afinal meninas, ele é bem bonitão mesmo, não é?! Continuando nossa pesquisa com os Efeitos Físicos, descobrimos mais uma semelhança! Ai você se pergunta: – Gente, como assim? Tudo é fenômeno de Efeito Físico??? Nem tudo gente, mas se tratando de poderes dos X-MEN são os Efeitos Físicos que dominam a parada! E a explicação para esse “poder” do Wolverine é simples, eles são classificados como Sematoplastia ou Somatização, e são chamados de Invulnerabilidade, quando há rápida recuperação dos tecidos lesados, quando o médium ou paciente do médium sofre traumatismos dilaceradores.

Que tal encerrarmos com exótica Mística pessoal? Nós particularmente adoramos a Mística. Ela tem um “poder” super legal, só está do lado errado, concordam? A Teleplastia é mais uma classificação dos Efeitos Físicos e significa ectoplasma visível, com ou sem efeito luminoso. E esse tipo de mediunidade é chamada de Transfiguração: mudança de aspecto de um corpo ou parte dele. Alterações no rosto do médium, surgindo o de outra pessoa, geralmente de alguém falecido; alterações nos braços, nas cordas vocais.

Enfim galera, falamos de vários tipos de mediunidade que se assemelham muito com esses poderes mutantes, mas que sabemos bem que mediunidade não é poder, nem tampouco privilégio. A mediunidade é segundo Allan Kardec, a faculdade dos médiuns, inerente ao homem e não constitui privilégio exclusivo. Por isso mesmo são raras as pessoas que delas não possuam alguns rudimentos. Pode-se dizer que todos são, mais ou menos médiuns.
Agora, vamos entender como podemos classificar os fenômenos citados que comparamos aos poderes dos X-Men. Para isso vamos relembra-los rapidamente. Por definição, os fenômenos espíritas são de duas naturezas: anímicos e mediúnicos. Nos primeiros é o espírito encarnado, em estado de transe, que produz os fenômenos espíritas; nos mediúnicos há um intercâmbio espiritual, e os espíritos produzem os fenômenos por meio dos médiuns, utilizando-se de suas energias psíquicas e possibilidades de transe. Daí que muitas vezes Kardec generalizou todos os fenômenos espíritas dentro do conceito de mediunidade, visto que o espírito emancipado pode se comunicar. 

Segundo Palhano é praticamente impossível traçar uma divisa entre o fenômeno anímico e o mediúnico, e quando essas duas faculdades estão unificadas, ostensivamente atuantes, como é o caso de um vidente que conversa com um espírito, há o fenômeno medianímico. Daqui a alguns dias teremos um post aqui no blog para conversarmos mais sobre esse assunto.

No caso dos X-Men, os poderes são mutantes e ocorrem – aparentemente – sem ação de um espírito desencarnado, mas que se assemelham e muito aos tipos de fenômenos medianímicos que já conhecemos e relembramos neste texto.

Pra terminar, queremos mais uma vez chamar sua atenção: mediunidade não é um superpoder. Nós mostramos nesse post como o cinema se apropriou de algumas faculdades plenamente possíveis de acontecer na vida real e as transformou em poderes de super-heróis. Mas assim como na ficção não é possível se transformar em um X-Man só porque você os considera legais, na vida real não existe a possibilidade de você desenvolver essas habilidades mediúnicas. Uma dica: fuja de livros e sites que prometem ensinar você a fazer isso. Mediunidade não é brincadeira e brincar com ela, segundo Kardec, é o mesmo que brincar em um laboratório de química, cheio de objetos e substâncias perigosas, sem ao menos ter noção do que se está fazendo. Não é preciso ser nenhum Professor Xavier para saber como termina essa história, não é mesmo?

E agora, é com vocês… que tal descobrirem outros super heróis ou mutantes que têm poderes que se assemelham a tipos de mediunidade? Comente suas descobertas.


Um X-beijo,
Equipe Pedagógica DIJ/FEEES
Departamento de Infância e Juventude da Federação Espírita do Espírito Santo



==================

Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar maravilhosos livros que iluminam: www.letraespirita.com.br

O dogmatismo e a fé cega no Movimento Espírita


Por: Alamar Caralho



O fato de um espírito manifestar a sua opinião pessoal através de um livro que nos é apresentado, não quer dizer que devamos subestimar a nossa capacidade de raciocinar e de nos aprofundar nos detalhes de cada ideia para concluirmos em cima do que nos tentam empurrar goela abaixo.


Quando é que vamos entender que um espírito desencarnado, por melhor que seja, é um homem como outro qualquer que viveu entre nós e que, pelo fato de estar desencarnado, não significa que seja dono da verdade absoluta e que suas opiniões sejam inquestionáveis? “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter opinião formada sobre tudo”, já dizia o baiano Raul Seixas, numa das frases mais sensatas da música popular brasileira.




Emmanuel e Chico Xavier falam sobre cigarros na visão Espírita


Pergunta: A ação negativa do cigarro sobre o perispírito do fumante prossegue após a morte do corpo físico? Até quando?

Resposta de Emmanuel - O problema da dependência continua até que a impregnação dos agentes tóxicos nos tecidos sutis do corpo espiritual ceda lugar à normalidade do perispírito, o que, na maioria das vezes, tem a duração correspondente ao tempo em que o hábito perdurou na existência física do fumante. Quando a vontade do interessado não está suficientemente desenvolvida para arredar de si o costume inconveniente, o tratamento dele, no mundo espiritual, ainda exige cotas diárias de sucedâneos dos cigarros comuns, com ingredientes análogos aos dos cigarros terrestres, cuja administração ao paciente diminui gradativamente, até que ele consiga viver sem qualquer dependência do fumo.


Pergunta: Pesquisas médicas revelam que a dependência física dos fumantes costuma ser mais compulsiva que a dependência orgânica dos viciados em narcóticos. Isto é certo se o enfoque for do plano espiritual para o plano físico?


Resposta de Emmanuel - Acreditamos que ambos os tipos de dependência se equiparam na feição compulsiva com que se apresenta, cabendo-nos uma observação: é que o fumo prejudica, de modo especial, apenas ao seu consumidor, enquanto os narcóticos de variada natureza são suscetíveis de induzir seus usuários a perigosas alucinações que, por vezes, lhes situam a mente em graves delitos, comprometendo a vida comunitária.


Pergunta: Você teria alcançado condições de desempenho de seu mandato mediúnico, ao longo de décadas de trabalho incessante, se fosse um dependente da nicotina?

Resposta de Chico Xavier - Creio que não, com referência ao tempo de trabalho, de vez que a ingestão de nicotina agravaria as doenças de que sou portador, mas não quanto a supostas qualidades espirituais para o mandato referido, de vez que considero o "hábito de cultivar pensamentos infelizes" uma condição pior que o uso ou o abuso da nicotina e, sinceramente, do "hábito de cultivar pensamentos infelizes" ainda não me livrei.

FONTE: Entrevista de Fernando Worm, do livro "Janela Para a Vida" (Federação Espírita do Rio Grande do Sul, 1979) e publicada em PLANETA Especial Chico Xavier.




==================
Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar maravilhosos livros que iluminam: www.letraespirita.com.br


A sua participação na transição planetária


Por: Sabrina Oliveira 

A Terra vive hoje tempos de crise moral, violência, crimes e desvarios de todas as ordens. Vemos por toda partes notícias que nos levam ao desânimo e à descrença. Em que ponto a humanidade chegará se continuar trilhando este caminho?

Indo contra todas as expectativas da nossa curta visão, o que anuncia a Espiritualidade Maior é que chegaremos a dias melhores. Por pior que pareça o cenário atual, devemos carregar em nós a esperança em tempos renovadores. Os Mensageiros do Bem nos enviam, de tempos em tempos, notícias que devem animar nossos corações e renovar nossas forças para as lutas do porvir.

Manoel Philomeno de Miranda, por meio da mediunidade de Divaldo Franco, nos trouxe, em 2010, valiosas notícias acerca da Transição Planetária, em livro de mesmo nome, elucidando que esses tempos hediondos antecipam o amanhecer da Nova Era.

Na nova Terra, haverá espaço para a fraternidade e a paz entre povos e nações; veremos nossa ciência e tecnologia avançando ainda mais, trazendo a cura para enfermidades e outras descobertas valiosas; os corpos físicos, aliás, serão mais bem desenvolvidos e adoecerão menos até porque a humanidade de um futuro próximo terá menos débitos a resgatar. Fisicamente falando, nosso planeta sofrerá menos cataclismos, até porque as placas tectônicas estarão finalmente situadas onde devem estar. Nosso clima será diferente com uma temperatura regular, não havendo mais calor ou frio extremos.

Para alcançarmos essa Terra mais feliz, desde 1970 estamos recebendo, ainda que timidamente, a ajuda de irmãos de outras esferas, mais especificamente do planeta Alcíone. Mais evoluídos, eles vêm à Terra em missão de amor, a pedido daquele que nos governa e nunca descansa: o Cristo. Desde os anos 2010, contudo, iniciaram-se os reencarnes em massa dos irmãos de Alcíone por todo o globo. Virão exemplificar a paz e o amor, modificando nossos costumes morais e sociais.

Essa não é a primeira vez que a Terra recebe um “empurrãozinho” de nossos irmãos de outros orbes. No início da nossa civilização, o Cristo convidou os irmãos de Capela para contribuírem com o desenvolvimento intelectual de nosso planeta. Naquela ocasião, porém, os capelinos desembarcaram na Terra, pois estavam atrapalhando o progresso de seu mundo de origem, diferente dos missionários de Alcíone, que vêm para cá exemplificando o amor fraternal que deve reinar entre todos os filhos do Criador.

O mesmo processo que Capela sofreu se desenrola hoje na nossa Terra. A transição planetária selecionará aqueles que estejam impedindo o progresso convidando-os a contribuir com o desenvolvimento intelectual, moral e tecnológico de mundos mais inferiores, exatamente como aqui ocorreu. Só para registrar, meu exemplo favorito: os irmãos de Capela habitaram o Egito nos áureos tempos daquela civilização. O conhecimento que possuíam naquela época era tão avançado e continua sendo até hoje, se considerarmos que a construção das pirâmides egípcias ainda é um mistério para nossos cientistas.

Seja como for, os irmãos de hoje revoltados e insistentes nas práticas do mal não terão permissão para reencarnarem na Terra. Por outro lado, aqueles com tendência ao bem e ao amor poderão continuar aqui, convivendo e aprendendo com os irmãos de Alcíone, edificando um mundo de fraternidade e paz, construindo, enfim, a Terra regenerada.

Todo esse conhecimento que nos chega, através das obras e das mensagens que emanam dos Céus, deve servir como incentivo para renovarmos nossas atitudes, pensamentos e sentimentos. Onde queremos estar? Num mundo mais feliz, vivenciando o amor e a paz em comunidade? Num mundo menos avançado, sentindo saudades do nosso Planeta Azul? O livre arbítrio é nosso e toda escolha será respeitada (como sempre foi). Os Céus procuram sempre nos fornecer informações relevantes para que possamos exercer nossa liberdade de escolha da maneira mais sábia e menos dolorida possível.

Esse é o momento de “ter olhos de ver e ouvidos de ouvir” e despertamos para as coisas espirituais, buscando extrair nosso melhor, renovando atitudes e pensamentos. A transição planetária já começou. Que comece também a nossa participação ativa nela.

Nota: muitas informações são divulgadas acerca da Transição Planetária, especialmente nos tempos atuais com advento da internet. Como sempre nos recomendou o Codificador: que saibamos avaliar a veracidade de cada informação. 

*Obs: Os dados que compõe este texto foram extraídos de duas obras de Divaldo Franco – Transição Planetária e Amanhecer de uma Nova Era.



==================
Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar maravilhosos livros que iluminam: www.letraespirita.com.br