Paralimpíadas, por Divaldo Franco


Por Divaldo Franco 

Transcorreu com o brilho esperado a Olimpíada, que se caracterizou pelo desfile contínuo dos campeões dos esportes que deslumbram as multidões. O Brasil correspondeu à expectativa e foi mais além desde a apresentação que a todos nos surpreendeu até o momento final. Nada houve que chocasse a opinião mundial, nem mesmo qualquer tentativa de atentado terrorista lhe diminuísse a grandeza. A polícia realizou o seu mister com o equilíbrio possível e soube agir com elevação nos casos complexos dos comportamentos de alguns atletas irresponsáveis. Alguns dos acontecimentos lamentáveis acontecem em toda parte, porque, infelizmente, pertencem à natureza humana ainda primária, sem formação ética para os momentos de elevação nacional.

Agora estamos nos dias da Paralimpíada que, lamentavelmente, não recebe o mesmo apoio dos veículos de comunicação, nem os investimentos necessários para demonstrar a grandeza moral do ser humano, após a vivência de sofrimentos inimagináveis que foram superados. Na Olimpíada a beleza do corpo e sua elegância, a audácia e coragem dos atletas chamam a atenção e fascinam. Nada obstante, na Paralimpíada, igualmente há corpos belos e mutilados, reformulados e nobres capazes de ultrapassar os limites impostos pelas tragédias do cotidiano e pelos denominados infortúnios.

Esses heróis, exemplos vivos do poder da vontade, do valor do enfrentamento quase conta o impossível, são dignos de ser aplaudidos e copiados, porquanto não se detiveram no habitual estado de vítimas das circunstâncias, demonstrando que o espírito conduz a matéria. As terríveis provações a que foram submetidos pela necessidade da evolução espiritual de maneira alguma impediram-nos de alcançar as metas da existência e continuarem demonstrando que o amor pela arte, pela beleza, pela vida são o objetivo essencial da existência humana.

Todos deveremos aprender a superar as dificuldades existenciais.


Parabéns a esses notáveis desportistas!

Um comentário:

Janiara Lacerda disse...

Realmente concordo que deveria ser mas divulgados é uma pena o descaso