Semeaduras e colheitas

A semeadura é livre, mas a colheita é compulsória. “Ao que tem, se lhe dará, e terá em abundância, mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado.” *
 Essa frase de Jesus aparece em vários momentos no Novo Testamento, mas tem destaque nas Parábolas do Semeador, dos Talentos (Mateus) ou das Minas (Lucas) e do Joio; e nos ensinamentos “Buscai e achareis”, “Ajuda-te e o Céu te ajudará”. Mas é, sobretudo, nas três parábolas que encontramos o chamado que o Mestre faz para o entendimento do livre-arbítrio e do seu uso. E entre elas nosso destaque é a Parábola do Semeador. Assim, vamos lembrar de uma passagem na qual o Sublime Benfeitor falava com o povo quando sua mãe e seus irmãos chegaram, procurando-O, e alguém Lhe disse: “Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te.” E Ele respondeu a quem lhe trouxe o aviso: “Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?” E estendendo a mão para os discípulos disse: “Eis minha mãe e meus irmãos, porque qualquer um que fizer a vontade de meu Pai celeste, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. Jesus estabelece naquele momento o parentesco divino entre todos, e destaca a necessidade de escolhermos o bem, o amor e a verdade para estarmos em harmonia com Deus e com os ensinamentos que derrama sobre nós. Naquele mesmo dia, saindo de casa, sentou-se à beira do mar e grande multidão reuniu-se perto dele. Por causa disso, entrou em um barco, acomodou-se e falou a eles muitas coisas por parábolas, e dizia: “Eis que um homem saiu a semear...” O Mestre descreve o que vai acontecendo com as sementes que na verdade são elementos figurativos que bem representam a forma como a Palavra Divina chega ao entendimento dos homens: a) Jogadas à beira do caminho, as aves as comem; b) Atiradas nas pedras, até brotam, mas como não teem raízes firmes, morrem; c) Lançadas no meio dos espinhos, eles se encarregam de sufocar o crescimento, mesmo que germinem; d) Mas, jogadas em terra fértil, brotam fortes, desenvolvem-se, dão flores, frutos e cada fruto produz mais 30, 60 ou 100. No livro Parábolas e Ensinos de Jesus, Cairbar Schutel refere-se à Parábola do Semeador, como a parábola das parábolas, porque sintetiza os caracteres predominantes em todas as almas e, ao mesmo tempo, ensina a distingui-las pela boa ou má vontade com que recebem as boas novas espirituais. Dessa forma, temos as almas que são “beiras de caminho”, ou seja, onde passam todas as idéias grandiosas, como pessoas nas estradas, sem gravarem nenhuma delas. São as pedras impenetráveis às novas idéias, são os espinhos que sufocam as verdades, como as plantas que não permitem o crescimento do que quer que seja ao seu redor. São homens e terras improdutivas. Mas, também temos, ao lado dessas almas, aquelas de boa vontade, que recebem a palavra de Deus e a coloca em prática. Terra fértil que acolhe a semente bendita da qual resulta boa produção. No momento evolutivo que vivemos temos todas essas características em nós mesmos. Qualidades que já podem produzir bons frutos, mas também dificuldades que não permitem a germinação da boa semente. Como todo esse processo evolutivo é longo e demorado, exige de cada um de nós o exercício da paciência, da perseverança e da coragem para lutar contra as próprias dificuldades, em acertos e erros contínuos, até que aprendamos a escolher somente o bem. Entendemos que a “semente” é a palavra de Deus, mas seu aproveitamento não é uniforme, em razão da variedade de seres que habitam o planeta. Dessa forma temos uns mais propensos ao bem, à caridade e à fraternidade, e outros mais inclinados ao mal, ao egoísmo e ao orgulho. Uns mais atentos às coisas do Céu e outros mais apegados aos bens da Terra, ao transitório e fugaz. Portanto, segundo Jesus, a terra que recebe a semente representa o estado intelectual e moral de cada um: seja beira de caminho, pedregal, espinhal ou boa terra... Por exemplo, o amor que se transforma em outro sentimento ou perde seu encanto e poesia ou simplesmente desaparece, é por negligência exclusiva do seu “cultivador” e não de Deus. Era pouco e, após a transformação, ficou sem nada. Se fosse verdadeiro, teria sido multiplicado. Podemos acrescentar, ainda, que nem todos que pregam a Palavra o fazem tal qual ela é: Simples e despida de formas enganosas. Encontramo-la revestida de tantos mistérios, de dogmas, de retórica que embora a Palavra permaneça, fica enclausurada na forma, sem que se possa ver o fundo, a essência. Muitos a pregam por interesse, por vaidade e grande parte por egoísmo. Não dissipam as trevas, endurecem corações ao invés de abrandá-los, não anunciam a Palavra, mas fazem dela um instrumento para receberem ouro ou glória. Como têm pouco a dar, acabam por esvaziar a oportunidade que lhes foi dada, pelo Pai, de espalhar o entendimento, a fraternidade, a solidariedade, enfim, o Amor ao próximo... A Palavra não pode ser rebaixada. Ela deve estar acima de nós mesmos – nos dizeres de Cairbar Schutel - “porque aquele que despreza a Palavra, anunciando-a ou ouvindo-a, despreza seu Instituidor e, como disse Ele: ‘Quem me despreza e não recebe as minhas palavras, tem quem o julgue; a Palavra que falei, esta o julgará no último dia’. (João, 12: 48.).” Voltemos a Jesus: Assim que encerrou a narrativa sobre o Semeador, os discípulos perguntaram ao Mestre por que falava através de parábolas. E Ele respondeu: “Porque a vós outros é dado conhecer os mistérios do Reino dos Céus, mas àqueles não lhes é concedido. Pois ao que se tem se lhe dará, e terá em abundância, mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. Por isso vos falo por parábolas; porque vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem , nem entendem; porque o coração deste povo está endurecido.” Esta afirmação de Jesus parece paradoxal. Como dar mais a quem já tem e tirar daquele que pouco tem? O Mestre era incoerente? Vamos pensar em um exemplo, com valores materiais, que pode ilustrar nosso tema: Um homem adquire boa posição financeira. Se é imprevidente e malbarata os bens conquistados, perderá o que já obtivera, confirmando a assertiva de Jesus. Mas, se esse homem toma providências, sensatamente, para estabilizar a boa posição, conservando-a para o bem de todos, consolidará seu bem-estar. Com os tesouros do Espírito o problema é o mesmo, mas é preciso que fique claro que o ensino de Jesus é figurado, pois Deus jamais tirará o bem que lhe foi concedido. É preciso ver o ensinamento pelo Espírito. Não é Deus quem retira daquele que pouco havia recebido, mas é o próprio Espírito que, pródigo e descuidado, não sabe conservar o que tem e aumentar, fecundando a migalha que caiu no seu coração. O Evangelho Segundo o Espiritismo dá outro excelente exemplo: O filho que não cultiva o campo que o trabalho do pai conquistou, para deixar-lhe de herança, vê esse campo cobrir-se de ervas daninhas. As perguntas que os Espíritos superiores fazem e que necessitamos responder a nós mesmos são: 1 – foi seu pai que lhe tirou as colheitas que ele não preparou? 2 - se ele deixou a sementeira morrer nesse campo por falta de cuidado, deve acusar o pai pela falta de produção? Evidente que não! Deve acusar, sim, a si próprio que é o verdadeiro responsável pela própria miséria. Por outro lado, terá, também, a chance de arrepender-se e retomar o trabalho e plantar a boa semente escolhida entre as más. Cuidar, zelar, arrancando as ervas daninhas que podem sufocar a nova sementeira. Isso dá trabalho? Dá e muito! Vale a pena? Vale, porque a colheita será imensa. Estamos plantando para nós mesmo, hoje, com vistas a um futuro de muita felicidade. Mas, o ensinamento do Mestre ainda aparece na Parábola dos Talentos, que tem a mesma significação da Parábola das Minas, e é importante lembrar disso por causa da conclusão que Jesus dá à narrativa dessa parábola: “Tirai-o, pois, o talento e dai-o ao que tem dez. Porque a todo que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. E o servo inútil, lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes.” Bibliografia *MATEUS, 13: 10-14. MATEUS, 25: 14-30. MARCOS, 4: 23-24. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap. 18, itens 13 a 15. SCHUTEL, Cairbar. Parábolas e Ensinos de Jesus – 14ª ed., Casa Editora O Clarim – MATÃO/SP – 1997 - Parábola do Semeador. ROHDEN, Huberto. Sabedoria das Parábolas – 12ª ed., Editora Martin Claret – São Paulo/SP, 1997, pág.87. PERALVA, Martins. O Pensamento de Emmanuel – 4ª ed., FEB – RIO DE JANEIRO/RJ – 1991 – cap. 8. Publicado na Revista Internacional e Espiritismo – novembro de 2009, pág. 518 – Casa Editora O Clarim – Matão/SP

3 comentários:

Jeanne disse...

Olá, tem um selinho pra ti lá no blog.
Beijos :)

Wagnertenone é: disse...

Parabens Letra Espírita! Seus trabalhos são muito bem elaborados e prendem o leitor. Já virei fã incondicional. Veja meu blog JORNADA SUBLIME - http://wagnertenone.blogspot.com. Grande abraço e a paz do Cristo esteja sempre com você e seus familiares.

Maria José disse...

Estou passando aqui para dar um olá, regar nossa amizade e divulgar um blog bem interessante (http://cinemaespirita.blogspot.com/). Passe por lá. Você vai gostar. Obrigada e um grande beijo.