Quando um policial tira a vida de um criminoso na visão Espírita


Quando um policial tira a vida de um criminoso. Ele será cobrado?

É complicado analisarmos a questão do policial, porque ele é acima de tudo um ser humano, foi treinado e orientado para manter a ordem e a disciplina, para ajudar a que a lei se cumpra, mas não devemos esquecer que acima de tudo ele é um homem com qualidades e defeitos e também com medo.

A carga emotiva e nervosa a que está exposto diariamente, muitas vezes em situações criticas, pode funcionar como "gatilho psíquico" do gatilho material, especialmente quando está perante situações de risco de vida, em face de um marginal violento e também armado por sua vez. Se nessas condições, ainda assim ele puder cumprir a sua função de guardião da lei, sem tirar a vida de ninguém, sem duvida terá acumulado muitos méritos por esse comportamento (vide Q 748 do L.E. - Livro dos espíritos). Mas, mesmo em caso contrario, ainda assim não devemos julgar e condenar o seu ato, em que tirou a vida de outrem, pois muitas vezes, em caso iminente de perigo de ser assassinado pelo criminoso, se ele não atirar no outro como forma de legítima defesa, seria um suicida; se há iminente perigo do criminoso matar alguém e a única forma dele salvar a vida do cidadão é atirando no criminoso, se não o faz, é também um assassino por omissão. Há sempre condições atenuantes ou agravantes (vide Q 747 e 749 do L.E.), pelas quais a legislação (justiça humana) prevê e determina se ele agiu correto ou não, o mesmo ocorre com a lei divina. 

Um comentário:

Lucas Neves disse...

Sobre a reação diante de uma mente criminosa

Prefiro agir como Jesus.

Infelizmente certos assuntos influenciam mais as mentes "mal esclarecidas" e de "determinadas condições psicológicas"; cada um com sua tarefa, mas creio mais correto buscar a vivência de Jesus, se Jesus nos ensinou algo, sabia q somos capazes de praticar, ele n é "doido".

Devemos lutar semeando o amor, o mal cai só; o bem sempre vence. N vi Jesus ferindo a carne nem o psicológico alheio, td é construtivo segundo as leis naturais. Esse e o assunto do pai q cometeu suicídio para q o filho n entrasse na área militar, lá no livro "O Céu e o Inferno", são assuntos delicados, pois, mentes "mal esclarecidas" podem entender q pode matar ou morrer e se livrar dos tormentos com algumas desculpas...

Pratiquemos Jesus, n incentivemos os outros a ferir e dps desculpar. Na minha filosofia, Jesus é verbo (além da existência do espírito), o amor incondicional. Perdão se ofendi, mas essa é a opinião do meu livre-arbítrio (com uma noção do espiritismo, evangelho, do homem de bem).