Oração


Por Valter Viana
"Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que acorrem a sustenta-lo em suas boas resoluções ea inspirar-lhe idéias sãs. Ele adquire, desse modo, uma força moral Necessária a vencer as dificuldades ea volver ao caminho reto, se deste se afastou. Por esse meio, pode também desviar de si os homens que atrairia pelas suas faltas Próprias ".
ESE - Cap. XXVII - Item 11
No Compasso do nosso dia a dia em que estamos tão empenhados em adquirir o material, por vezes esquecemo-nos de alimentar o mais essencial, nosso espírito.
Devemos acrescentar ao rol de nossas Tarefas O hábito da oração, da meditação, ainda que sucinta.
Como seres espirituais, somos o que pensamos eo nosso pensamento é vibração, envio e recepção de fluxos mentais, ou seja, sintonia e devemos considerar também que vivemos em Inúmeras Vibratórias FAIXAS E estaremos sempre sintonizados com aquelas que nos afinizamos mais. Desta forma ao elevarmos o nosso nível vibratório, passaremos a ficar, conseqüentemente, mais tempo em harmonia com espíritos Evoluidos mais, desta forma estaremos higienizando o nosso campo espiritual, evitando em nós uma proliferação do mal.
O Mestre nos ensinou que "Tudo o que pedirdes com fé, em oração, vós o recebereis " Revelou-nos desta forma que o ato de orar é algo muito profundo do que se pode observar à primeira vista, não obstante sabermos que um Oração não muda os desígnios de Deus, mas proporciona-nos uma visão mais clara de como devemos agir, bem como Forças para vencermos as dificuldades.
De uma forma "Didática" podemos conceber uma oração em três formas: louvar, agradecer e pedir.
Louvar é enaltecer os desígnios de Deus sobre todas as coisas, aceitando-o como Ser Supremo, causa primária de tudo o que existe, bendizendo-lhe o nome.
Pedir é recorrer ao Pai em busca de luz, equilíbrio, forças, paciência, discernimento e coragem para lutar contra as Forças do mal, enfim, tudo, desde que não se contrarie a lei de amor que rege e sustenta a harmonia universal.
Agradecer Reconhecer é como Inúmeras bênçãos recebidas, ainda que em diferentes graus de aceitação e entendimento: a alegria, a fé, a bênção do trabalho, uma oportunidade de servir, a esperança, a família, os amigos, uma dádiva da vida.
Criemos desta forma o costume saudável de convencionalismos sem orar e sem fórmulas ritualísticas, pois a verdadeira adoração é a do coração, aquela que parte do homem e se dirige Diretamente ao Pai, o que nos proporcionará um bem-estar incalculável já que nos aproximaremos ainda Mais do Criador.
Por derradeiro, não devemos esquecer que ao oramos não devemos confiar plenamente Pai, pois o próprio Jesus nos ensinou que fosse feita a vontade do Pai e não a nossa.

Nenhum comentário: