Espíritos transgêneros?


Por: Carolina Navajas
RBN - Programa: Juventude Maior

   Desde Lili (protagonista do filme A garota dinamarquesa) até Caitlyn Jenner (a mais recente transgênera influente na mídia), existe um espaço de tempo cheio de revoluções, debates, teorias e manifestações perante o tema: mudança de sexo. São inúmeros, os trabalhos científicos, artigos e dissertações que se encontram na internet e livros, nos dias de hoje. São encontrados, inclusive, textos que analisam tal manifestação humana ao ver espírita.

 De antemão, é de extrema importância ressaltar a divergência entre as divisões biológicas/fisiológicas entre os seres humanos (macho e fêmea) e as manifestações psicológicas e intuições comportamentais por parte da essência do ser (feminino e masculino).

   Sendo assim, como qualquer outro dogma divino, é restrito nosso alcance de entendimento perante o tema, mas não nulo; o próprio livro dos espíritos traz três perguntas especificas sobre a orientação sexual dos espíritos, e delas é possível concluir que espíritos se encarnam homens e mulheres porque justamente não têm sexo.

   Portanto, a manifestação de traços femininos em um homem ou masculinos em uma mulher, é facilmente justificável pela reencarnação. Assim como experiências de vidas passadas podem acabar influenciando nas escolhas da atual, a própria experiência de mudança de sexo pode ter sido optada como uma forma de evolução do espírito tão eficiente quanto a escolha de uma etnia, nacionalidade, classe social, parentesco etc.

   Não é errado permitir que o espírito se manifeste, errado pode ser a forma como se manifesta ou se reage diante, então é sempre muito importante lembrarmos de agir com compaixão sem seletividades -“fazer o bem sem olhar a quem”- lembrando sempre do objetivo maior para que vivemos. Saber lidar com as diferenças nos aproximam cada vez mais da felicidade eterna.

   “É a vida do espírito que é eterna; a do corpo é transitória e passageira […]”

==========

Gosta de estudar sobre o Espiritismo? Associe-se ao Clube do Livro Letra Espírita e receba no conforto do seu lar os melhores livros espíritas: www.letraespirita.com.br



9 comentários:

Anônimo disse...

Tenho duvida em relação a esse tema.Se uma pessoa nasce trangenero,não teria que aceitar com resiguinação ao ibvés de mudar o corpo?

Arlete disse...

Deveria. Mas, quem de nós pode dizer-se completamente satisfeito com o corpo material que temos? E quantos já não fizeram uma cirurgia aqui, uma esticadinha ali, esticou os cabelos, enrolou os cabelos, fez dieta...imagine então nascer com um corpo masculino e ter a mente feminina, ou vice verso... Não dá pra julgarmos. Cabe-nos compreender

Bruna Collin disse...

Como cita no texto: "a própria experiência de mudança de sexo pode ter sido optada como uma forma de evolução do espírito tão eficiente quanto a escolha de uma etnia, nacionalidade, classe social, parentesco etc."

Ou seja, o indivíduo pode ter pendências a resolver em relação a isso. Acredito que possa ter sido uma pessoa muito preconceituosa em vidas passadas, por tanto escolhe vir em tal situação para evoluir o espírito e livrar-se do mal que o ódio do preconceito o trouxe na vida passada.

Anônimo disse...

Em resposta à pergunta anônima acima, aceitar ou não o corpo em que se encontra depende do estágio evolutivo do Espírito, de seu grau de conhecimento sobre si mesmo e sobre o significado de sua encarnação. Lembrando que nem tudo é pagamento de dívidas quando se trata de encarnações, há a diversidade dos aprendizados. Os Espíritos devem aprender todas as coisas e por isso passam por experiências diversificadas.

Claudia Delmonte disse...

Ninguém nasce transgênero.... Opta por essa mudança. É o livre arbítrio. Deus perdoa a tudo e a todos, mas não nos livra das consequências...

Fernando Silva disse...

Respeito seu ponto de vista Claudia Delmonte, porém acho que ser transgênero, homossexual ou bissexual não é optar, ou melhor, opção, e sim condição. Quem por acaso gostaria de passar por desiquilíbrio psicológico e social por mera opção? Quem gostaria de ser julgado pela sociedade ou pela própria família pela por mera opção? Ninguém acorda e diz: Hj serei trans ou hj sou gay ou Bi. São condições, sentimento que já existem desde quando começamos a nos conhecer como seres de sentimentos, de personalidade, desejos e raciocínio. O livre arbítrio é pra todos, as consequências também. O que talvez Deus não perdoa é quando suas atitudes interferir na vida do outrem de modo a prejudica lo, fora isso a vida é sua. Então pra fechar, a sexualidade já vem dentro do ser, porém o que faz com que se aflore é o surgimento das experiências, aquilo já existe ali, ainda mais se tratando do espírito. Dessa forma não é opção é sim a condição em que acabamos a experimentar em nossas vidas. Gratidão!

Jorge Luiz de Sousa Luiz disse...

O espírito pode ter falhado em vidas psssadas,tanto na experiência fe um corpo famenino ou masculino. E seu livre arbitreo, este mesmo possa programar uma existencia que exija maior superação.Além de testar o equilio e o crescimento moral dos que estão em seu universo. Emfim, respeito, amar sem se preocupar com as escolhas alheias, ajudar o irmão.

PORTOCARRERO disse...

Comungo desse pensamento. Devemos ter respeito e compaixão mas essa mutilação do corpo físico trará consequências ao espírito que não se aceita.

PORTOCARRERO disse...

Olá! O suicídio é a maior transgressão que podemos cometer contra as Leis Divinas. Deus nos perdoa mas temos que responder por esse ato. A homossexualidade e/ou a bissexualidade por si só não indicam problemas psicológicos mas a mudança de sexo sim. Tanto que necessita de acompanhamento e avaliação psicológica para ser autorizada. Além da agressão ao corpo físico há também a agressão ao perispirito,fato que pode trazer danos nas próximas reencarnações. Evidente que não devemos julgar. Se não tivessemos que habitar um corpo masculino ou feminino todos nasceríamos hermafroditas. Quem sabe um dia seja assim?